Como funciona o despejo de um inquilino em uma locação

Criado em: 05 de abril de 2018             
Atualizado em: 07 de janeiro de 2022             


Artigo dúvida despejo inquilino
Artigo dúvida despejo inquilino

V ocê gostaria de entender melhor sobre como funciona o despejo de um inquilino e em quais situação esta ação pode ser aplicada?

Explicaremos sobre o assunto neste artigo, assim como também explicaremos sobre os direitos do proprietário e do inquilino, ou seja, das partes envolvidas.

O despejo é uma ação que está enquadrada dentro da Lei do Inquilinato, Lei 8.245/91, e as suas regras definem os direitos e deveres de todos envolvidos em relação ao encerramento de um contrato de aluguel, seja por prazo encerrado ou por descumprimento contratual.

O que é a ação de despejo e quando pode ser solicitada

A ação de despejo se inicia quando um proprietário entra com uma ação na justiça para poder retomar o seu imóvel alugado.

Alguns fatores podem motivar uma ação de despejo, de acordo com a Lei do Inquilinato, é permitida sua solicitação quando:



I. O proprietário / locador solicita a desocupação de seu imóvel para que sejam realizadas reformas, ou para que o imóvel seja utilizado por ele ou familiares.



Nestes casos o despejo acontece com motivo, ou seja, um despejo motivado por uma denúncia cheia.

O locatário deverá ser avisado com um prazo antecedente de no mínimo trinta dias, também conhecido como aviso prévio.



II. Quando o contrato se encerra e o locador não tem o interesse em sua renovação. Neste caso acontece o despejo por denúncia vazia, sem a necessidade de qualquer justificativa, notificação ou aviso.



Um detalhe importante: esta condição só é permitida, de acordo com a Lei do Inquilinato, quando o contrato de locação for criado por escrito e com prazo igual ou maior que trinta meses , caso o contrato tenha sido elaborado com um prazo inferior a trinta meses a denúncia vazia só é permitida após 5 anos de locação.



III. Quando ocorre o descumprimento contratual, e com isso alguma cláusula do contrato é infringida, o despejo pode ocorrer. E neste caso não há a necessidade de notificação.



A maioria dos casos de descumprimento contratual ocorrem pela falta de pagamento do aluguel ou outros encargos.

Não apenas a falta do pagamento do aluguel justifica a ação de despejo/retomada do imóvel.

Caso outras contas de responsabilidade do locatário sejam atrasadas, como condomínio, luz, água, entre outras, pode também sujeitar à uma ação de despejo.

O atraso é considerado à partir do primeiro dia de atraso no pagamento das contas, e desde então o inquilino pode ser considerado inadimplente.

Assim, a ação de despejo pode ser iniciada logo no dia seguinte ao vencimento da conta não paga.

Procedimentos para iniciar uma ação de despejo

Para que uma ação de despejo seja iniciada, o locador deve acionar um advogado civil e entrar com a ação.

Caso o contrato não estipule uma garantia para o pagamento, como um fiador, cheque caução, dentre outras, o locador deverá pagar uma guia de depósito referente à caução, que corresponde a três vezes o valor do aluguel.

Em seguida o juiz poderá deferir uma expedição de mandato para que o locatário desocupe o imóvel em até quinze dias.

Quando existe garantia estipulada no contrato de locação, o prazo para a desocupação costuma ser maior, de trinta dias depois que a ação de despejo é aceita e julgada procedente.

Direitos do Locatário

Após ser citado em uma ação de despejo iniciada por falta de pagamento o locatário tem quinze dias para quitar todo o valor devido.

Deverão ser pagos, além do valor em atraso, multas e penalidades previstas no contrato de locação, juros de mora, custos processuais e os honorários do advogado do locador.

Ocorrendo os pagamentos, o contrato de locação volta a ter continuidade.

Ainda de acordo com a Lei do Inquilinato este procedimento só pode ocorrer uma vez a cada vinte e quatro meses, ou seja, se ocorrer uma reincidência e uma nova ação de despejo em menos de dois anos, o locatário perde este direito.

O locatário também tem direito à contestar o processo de despejo. Para isso ele também deve contratar um advogado que irá lhe defender e apresentar provas de que os valores cobrados já foram quitados.

Esta contestação deve ocorrer em um prazo máximo de quinze dias após a sua citação.

Conclusão

Deve-se sempre tomar todas as precauções para não solicitar um despejo indevidamente, visto que isso pode ser prejudicial para o locador.

Assim, recomenda-se que se entenda como funciona o processo e que se faça amparado legalmente.

E em todos os casos percebe-se a importância de se ter um contrato bem definido, como este modelo personalizado que recomendamos.


Referências:
Lei 10.406
Lei do Inquilinato


Curtiu o nosso artigo?

Curta ou compartilhe, e nos incentive com isso a criar novos conteúdos para você!


Nossos Contratos

Busca um contrato personalizado para atender as suas necessidades?

Utilize um dos nossos e conte com todo apoio que necessitar.

Locação Residencial

Locação Comercial

Locação para Temporada

Hospedagem




Sobre a 99Contratos!

A 99Contratos é uma LegalTech 100% nacional, criada e desenvolvida pensando no público brasileiro.

Nosso time é formado por especialistas em documentos legais e profissionais apaixonados por novidades que possam ajudar o dia a dia de todos.

Atualmente somos a maior plataforma para a criação de contratos personalizados e documentos legais de forma automatizada do Brasil.