A cobrança de luvas em contratos de locação comercial: Quando essa prática é permitida?

Atualizado em: 17 de maio de 2024             



A cobrança de luvas em contratos de locação comercial: Quando essa prática é permitida?
A cobrança de luvas em contratos de locação comercial: Quando essa prática é permitida?

A cobrança de luvas em contratos de locação comercial é um tópico de considerável importância e interesse no cenário jurídico e imobiliário brasileiro.

Este artigo busca fornecer uma visão abrangente sobre essa prática, destacando suas implicações legais, requisitos e limitações. Desde os primórdios da legislação até as regulamentações mais recentes, exploraremos como as luvas afetam as partes envolvidas em um contrato de locação comercial.

A história das luvas em contratos de locação comercial

A prática da cobrança de luvas em contratos de locação comercial no Brasil remonta a décadas atrás e passou por uma evolução significativa na legislação do país.

Antes da Lei do Inquilinato de 1991

Antes da promulgação da Lei do Inquilinato em 1991, o cenário jurídico relacionado à cobrança de luvas era muito diferente. O principal marco nesse período foi o Decreto nº 24.150, de 1934, que proibia estritamente a cobrança de luvas em contratos de locação comercial. Este decreto, sancionado pelo então presidente Getúlio Vargas, tinha como objetivo proteger os locatários de possíveis abusos por parte dos locadores, garantindo condições equitativas nas negociações de locações comerciais.

A mudança com a Lei do Inquilinato de 1991

No entanto, a situação mudou substancialmente com a promulgação da Lei do Inquilinato em 1991. Esta legislação introduziu uma série de alterações nas regras que regem os contratos de locação, incluindo a permissão para a cobrança de luvas em determinadas circunstâncias.

A razão por trás dessa mudança na lei estava relacionada ao reconhecimento de que as luvas poderiam desempenhar um papel importante na dinâmica do mercado imobiliário comercial. Em áreas altamente valorizadas, como os principais centros urbanos, a competição pelos melhores espaços comerciais era acirrada. A permissão para a cobrança de luvas permitiu aos locadores garantir um compromisso financeiro dos locatários, o que muitas vezes era necessário para garantir a ocupação do espaço desejado.

O conceito de luvas e seu propósito

As luvas, também conhecidas como "fundo de comércio" ou "cessão do direito de uso", representam um conceito central em contratos de locação comercial no Brasil. Essa prática, embora amplamente utilizada, ainda gera discussões e debates em meio aos profissionais do setor imobiliário e jurídico. Vamos aprofundar o significado e o propósito das luvas:

As luvas podem ser entendidas como um pagamento adiantado feito pelo locatário ao locador no início de um contrato de locação comercial. Este pagamento é uma quantia única, geralmente expressiva, que não está diretamente vinculada ao valor do aluguel mensal nem a outras garantias contratuais, como depósitos de segurança.

O Propósito das Luvas

O propósito das luvas é multifacetado e beneficia ambas as partes envolvidas no contrato de locação comercial, ou seja, o locador e o locatário. Vamos analisar as principais razões pelas quais as luvas são utilizadas:

Garantia de Obrigações Contratuais: As luvas servem como uma garantia para o locador de que o locatário está comprometido com o contrato. Ao fazer um pagamento substancial antecipadamente, o locatário demonstra seu compromisso com a ocupação do espaço locado e seu cumprimento das obrigações contratuais, como o pagamento do aluguel em dia e a manutenção adequada do imóvel.

Reserva de Espaço em Áreas Valorizadas: Em áreas comerciais altamente valorizadas, a demanda por locações pode ser intensa. Os locadores podem receber várias propostas para seus espaços e, nesse contexto competitivo, as luvas desempenham um papel fundamental. Elas permitem que o locador reserve o espaço para um locatário específico, mesmo que haja outras propostas concorrentes.

Negociação e Flexibilidade: As luvas também são uma ferramenta de negociação que permite ao locador e ao locatário adaptarem o contrato às suas necessidades específicas. Por exemplo, um locatário que deseja garantir uma locação em um espaço estratégico pode estar disposto a pagar luvas para assegurar a disponibilidade do local.

Duração do contrato de locação e as luvas

A duração do contrato de locação é um fator crucial na cobrança de luvas. Em muitos casos, os locadores preferem contratos de curto prazo, como 1 ou 2 anos, para manter a flexibilidade em relação ao aumento dos valores de aluguel. No entanto, a Lei do Inquilinato estabelece que a cobrança de luvas é permitida somente em contratos de prazo determinado e com duração mínima de 5 anos.

Isso significa que, ao assinar um contrato de locação comercial com essas características, o locatário tem a garantia de renovação do contrato nas mesmas condições por mais 5 anos, desde que cumpra os termos acordados anteriormente.

Contratos de locação comercial com prazo indeterminado ou com duração inferior a 5 anos não podem incluir a cobrança de luvas. A legislação brasileira não permite essa prática em contratos que não atendam a esses critérios.

Renovação do contrato e as luvas

É importante destacar que, se o contrato de locação comercial foi iniciado com a cobrança de luvas, o locador não pode exigir novamente o pagamento dessas luvas ao renovar o contrato. Qualquer tentativa de fazê-lo configura uma violação da lei, sujeita a possíveis ações legais por parte do locatário.

Além disso, o locador não pode rescindir o contrato existente de locação simplesmente porque o locatário não concorda em pagar luvas na renovação. Isso também constituiria uma irregularidade, e o locatário teria o direito de buscar reparação legal.

Conclusão

Em resumo, a cobrança de luvas em contratos de locação comercial no Brasil é uma prática permitida pela Lei do Inquilinato de 1991, desde que o contrato seja por prazo determinado e com duração mínima de 5 anos. Contratos de prazo indeterminado ou com duração inferior a 5 anos não podem incluir essa cobrança. Além disso, é proibido cobrar luvas na renovação do contrato.

Referências Legais

Lei Federal 8.245/1991 - Lei do Inquilinato

Decreto nº 24.150/1934


Author: Gustavo Falcão

Gustavo Falcão

Gustavo Falcão, fundador da 99contratos, oferece soluções acessíveis e descomplicadas para o conhecimento jurídico.

Através de modelos de contratos personalizáveis, sua missão é garantir praticidade e segurança jurídica.

Sempre buscando aprimorar seus serviços e expandir suas áreas de atuação, Gustavo acredita na tecnologia como aliada para simplificar processos burocráticos e democratizar o acesso ao conhecimento jurídico.


Nossos Contratos

Busca um contrato personalizado para atender as suas necessidades?

Utilize um dos nossos e conte com todo apoio que necessitar.

Comunicado de Reajuste de Aluguel

Arrendamento Rural

Locação de Bens Móveis

Locação Residencial






Sobre a 99Contratos!

A 99Contratos é uma LegalTech 100% nacional, criada e desenvolvida pensando no público brasileiro.

Nosso time é formado por especialistas em documentos legais e profissionais apaixonados por novidades que possam ajudar o dia a dia de todos.

Atualmente somos a maior plataforma para a criação de contratos personalizados e documentos legais de forma automatizada do Brasil.