Erros comuns do locador que podem resultar em processos

Criado em: 28 de junho de 2021   
Atualizado em: 17 de maio de 2024   



Erros comuns do locador que podem resultar em processos
Erros comuns do locador que podem resultar em processos

A locação de um imóvel é uma prática comum, regida por regras e normas estabelecidas na legislação, especialmente na Lei do Inquilinato. No entanto, a falta de conhecimento ou o descumprimento dessas regras por parte do locador pode gerar sérias consequências legais.

Neste artigo, exploraremos os erros mais comuns cometidos por locadores que podem levar a processos judiciais por parte dos inquilinos.

1. Entrar no imóvel sem a permissão do inquilino

A Constituição como Proteção

A Constituição Brasileira, em seu artigo 5º, inciso XI, estabelece de forma inequívoca que "a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial."

Esta disposição constitucional serve como uma proteção fundamental da privacidade e segurança do inquilino. Ela garante que o locatário tenha a tranquilidade de saber que sua residência é um espaço inviolável, protegido contra a entrada não autorizada, exceto em circunstâncias excepcionais.

Boas Intenções Não Justificam a Invasão

Muitos locadores podem ter boas intenções ao acessar o imóvel, como a realização de pequenos reparos ou verificações de manutenção. No entanto, mesmo com as melhores intenções, isso não justifica a invasão do espaço do inquilino sem consentimento explícito.

Implicações Legais Severas

Para um locador, ignorar essa proteção constitucional pode resultar em implicações legais severas. Se o inquilino se sentir violado em sua privacidade e posse do imóvel devido a uma entrada não autorizada, ele tem o direito de buscar reparação legal.

O locatário pode tomar medidas legais contra o locador, incluindo a possibilidade de abrir um processo por danos morais e materiais. Além disso, o locador pode enfrentar penalidades financeiras substanciais como resultado de sua ação inadequada.

A Importância da Comunicação e Acordo Prévio

A chave para evitar conflitos e litígios é a comunicação transparente entre locador e locatário. Antes de entrar no imóvel, o locador deve buscar o consentimento por escrito do inquilino. Isso pode ser feito por meio de um aviso prévio com detalhes específicos sobre o motivo e a data da entrada planejada.

2. Não cumprir o prazo acordado em contrato

Em um contrato de locação, o prazo estipulado deve ser respeitado. Ele define a duração da locação e as obrigações de ambas as partes durante esse período. Cumprir o prazo é essencial para manter a integridade e a estabilidade do relacionamento entre locador e locatário.

A Denúncia Cheia e suas Implicações

A denúncia cheia, prevista na Lei do Inquilinato (Lei Federal 8.245/1991), é a única justificativa legal para que o locador solicite o imóvel antes do término do prazo acordado. No entanto, essa denúncia deve atender a critérios específicos, como o desejo do locador de usar o imóvel para si, para um ascendente ou descendente, ou para realizar obras consideradas necessárias e urgentes.

Se o locador não tiver uma justificativa válida que se encaixe nos critérios da denúncia cheia e ainda assim solicitar o imóvel antes do prazo, estará agindo de forma irregular e poderá enfrentar consequências legais. O locatário tem o direito de se opor a essa solicitação injustificada e buscar proteção legal.

Rescisão Antecipada e Multas Contratuais

Por outro lado, o locatário tem o direito de rescindir o contrato e devolver o imóvel antes do término do prazo. No entanto, isso não pode ser feito de forma arbitrária. O contrato de locação geralmente prevê cláusulas relacionadas à rescisão antecipada, que podem incluir a obrigação do locatário de pagar multas ou indenizações ao locador.

Essas multas, se previstas no contrato, devem ser cumpridas pelo locatário caso ele decida devolver o imóvel antes do prazo. É importante ressaltar que essas multas devem ser razoáveis e proporcionais ao dano efetivamente causado ao locador, e não podem ser usadas como uma forma de punição excessiva.

3. Cobrar múltiplas garantias do locatário

Um erro comum que pode ocorrer durante a locação de um imóvel é a cobrança de múltiplas garantias do locatário. A garantia é uma proteção financeira para o locador em caso de inadimplência do locatário, e ela pode ser feita de diferentes maneiras, como depósito caução, seguro-fiança ou fiador.

No entanto, é importante destacar que a Lei do Inquilinato proíbe a exigência de mais de uma forma de garantia. Isso significa que o locador não pode pedir, por exemplo, um depósito caução e um seguro-fiança ao mesmo tempo. Tal prática é ilegal e pode levar a consequências legais para o locador, incluindo a obrigação de devolver em dobro o valor cobrado indevidamente.

4. Realizar vistorias irregulares e abusivas no término da locação

A vistoria de término de locação é um direito do locador, destinada a verificar a condição do imóvel no momento da devolução das chaves. No entanto, essa vistoria deve ser conduzida de maneira justa e correta, comparando o estado atual do imóvel com o estado no momento da entrega.

O locador não pode exigir reparos ou custos injustos ao inquilino, como a cobrança excessiva por pintura ou alegações infundadas de danos. Caso ocorra abuso nessa etapa, o inquilino pode mover um processo por danos morais e prejuízos.

5. Ignorar problemas no imóvel

A Lei do Inquilinato estabelece responsabilidades claras em relação a reparos e melhorias em um imóvel. No entanto, essas responsabilidades são frequentemente negligenciadas ao elaborar um contrato de locação.

É fundamental que as partes definam quem será responsável por diferentes tipos de reparos:

Reparos Necessários: aqueles essenciais para a habitabilidade, como vazamentos e rachaduras, são de responsabilidade do locador, a menos que o contrato estabeleça o contrário.

Reparos Úteis: melhorias que não são necessárias para a moradia, como instalação de grades de segurança, são de responsabilidade do locatário, mas somente com a aprovação do locador.

Reparos Voluptuários: melhorias estéticas, como decoração, são de responsabilidade do locatário e podem ser removidas no final da locação.

Se o contrato não abordar essas questões, o locador será responsável por reparos necessários. O não cumprimento dessas obrigações pode levar o locatário a rescindir o contrato por justa causa e buscar danos em um processo judicial.

6. Cobrar aluguéis atrasados de forma inadequada

Atrasos no pagamento do aluguel podem ocorrer por várias razões, como dificuldades financeiras ou esquecimento. O locador tem o direito de cobrar o aluguel devido, mas deve fazê-lo de forma adequada, sem exageros ou constrangimentos.

É recomendável que o locador envie uma notificação por escrito ao inquilino, informando a data e o valor do pagamento devido. Se o inquilino ainda não efetuar o pagamento após a notificação, o locador pode solicitar legalmente a quebra do contrato por justa causa e buscar ação de despejo.

7. Não seguir as etapas adequadas para o despejo

Em casos de descumprimento contratual grave, o locador pode desejar despejar o inquilino. No entanto, é fundamental seguir os procedimentos legais adequados. O locador não pode simplesmente entrar no imóvel e remover os pertences do inquilino ou trocar a fechadura, pois isso é ilegal.

O despejo deve ser realizado com base na legislação vigente, e todas as etapas necessárias devem ser cumpridas. Isso pode incluir a obtenção de uma liminar em casos de locações sem garantia ou o uso da Ação de Despejo. Em qualquer situação, a autorização judicial é necessária, e o descumprimento desse processo pode resultar em ações legais contra o locador.

Conclusão

A locação de um imóvel envolve uma série de direitos e responsabilidades que devem ser respeitados tanto pelo locador quanto pelo locatário.

Não se pode adotar uma mentalidade de que "é meu imóvel e posso fazer o que quiser".

O descumprimento das regras pode resultar em processos judiciais movidos pelo inquilino, resultando em penalidades e prejuízos para o locador. Portanto, é fundamental conhecer e seguir as leis e regulamentos pertinentes à locação de imóveis para evitar problemas legais no futuro.

Referências Legais

Lei do Inquilinato (Lei Federal 8.245/1991)

Constituição Brasileira


Author: Gustavo Falcão

Gustavo Falcão

Gustavo Falcão, fundador da 99contratos, oferece soluções acessíveis e descomplicadas para o conhecimento jurídico.

Através de modelos de contratos personalizáveis, sua missão é garantir praticidade e segurança jurídica.

Sempre buscando aprimorar seus serviços e expandir suas áreas de atuação, Gustavo acredita na tecnologia como aliada para simplificar processos burocráticos e democratizar o acesso ao conhecimento jurídico.


Nossos Contratos

Busca um contrato personalizado para atender as suas necessidades?

Utilize um dos nossos e conte com todo apoio que necessitar.

Notificação para Rescisão de Locação Residencial

Comodato de Imóvel Comercial

Locação de Bens Móveis

Locação Residencial






Sobre a 99Contratos!

A 99Contratos é uma LegalTech 100% nacional, criada e desenvolvida pensando no público brasileiro.

Nosso time é formado por especialistas em documentos legais e profissionais apaixonados por novidades que possam ajudar o dia a dia de todos.

Atualmente somos a maior plataforma para a criação de contratos personalizados e documentos legais de forma automatizada do Brasil.