É permitida a doação de bens entre cônjuges ou descendentes?

Como funciona a doação de bens entre cônjuges, descendentes ou ascendentes, e os cuidados necessários.

Artigo
 


É permitida a doação de bens entre cônjuges ou descendentes?

Continua após a publicidade
Artigo Compra e Venda de Imóvel Financiado

U ma dúvida recorrente quando se trata de uma doação feita para cônjuges ou parentes, sejam eles descendentes ou ascendentes, se diz à questão de sua eficácia e o que acontece no caso de falecimento do doador, ou seja, o que acontecerá quando for feito o inventário.

Vamos debater neste tópico este assunto, e ajudar a esclarecer esta dúvida.

A doação pode ser feita entre parentes, cônjuges ou descendentes?

Sim. Pode-se sim ser feita a doação para filhos, pais ou cônjuges.

Mas, por definição, uma doação para parentes, ou cônjuges, importa em adiantamento da herança.

Assim, quando ocorrer o falecimento da pessoa doadora, os bens doados aos descendentes ou para os cônjuges deverão fazer parte do inventário (trazer a colação nos autos), e a doação será considerada como uma antecipação da herança e seu valor será compensado sobre o restante da quota em relação aos demais herdeiros.

A doação e a herança futura

A doação entre parentes ou cônjuges é permitida pela legislação brasileira, mas recomenda-se que se tome alguns cuidados para que ela seja efetuada corretamente.

Em uma doação não se faz necessária a aprovação dos demais filhos, caso seja uma doação de pai para filho, como ocorre em caso de venda para herdeiro.

Mas, deve-se saber que mesmo sem a aprovação a doação pode resultar em uma compensação no valor, ou bem, que o beneficiário tenha a receber quando ocorrer o recebimento da herança, ou seja, quando o doador, sendo pai e com outros filhos vier a falecer.

Exemplo:

Em caso de venda, para que uma pessoa venda o seu imóvel para um de seus filhos, ela precisará da concordância por escrito dos demais filhos.

Mas, como dito anteriormente, este cenário não se faz necessário quando ocorre uma doação. Sendo que posteriormente, quando se estiver fazendo o inventário do doador, este bem que seria repartido entre os herdeiros mas que foi doado poderá ter a sua "colação", ou seja, pode ser trazido para o "monte" de bens deixados para a partilha, e assim será descontada a parte da herança que caberia ao herdeiro que recebeu o bem como donatário.

Publicidade

O não adiantamento da herança

Para que este cenário não ocorra, ou seja, para que o bem doado não retorne ao montante devido como herança, o doador deve obrigatoriamente informar no Contrato de Doação que o bem doado correspondia à até metade do seu patrimônio disponível, citando como:

"A doação do bem realizada através deste contrato diz respeito à parte disponível do patrimônio do doador e não importa em adiantamento de herança, estando, portanto, dispensada da colação, nos termos dos artigos 2.005 e 2.006 do Código Civil.".

Para que seja possível o não adiantamento da herança a doação feita não poderá ultrapassar 50% (cinquenta por cento) do patrimônio total do doador que seria de direito dos outros herdeiros.
A colação tem como seu objetivo igualar entre os herdeiros os bens deixados.

O que não está sujeito à colação:

- Os gastos ordinários do ascendente com o descendente, enquanto menor, na sua educação, estudos, sustento, vestuário, tratamento nas enfermidades, enxoval, assim como as despesas de casamento, ou as feitas no interesse de sua defesa em processo-crime.
- Os bens doados da parte disponível, mediante cláusula expressa nesse sentido (conforme citado).
- As doações remuneratórias de serviços feitos ao ascendente.

Pontos importantes de nossa legislação sobre a doação

Abaixo seguem alguns pontos que merecem a atenção, previstos no Código Civil, referentes à doação entre parentes e cônjuges:

Art. 544. A doação de ascendentes a descendentes, ou de um cônjuge a outro, importa adiantamento do que lhes cabe por herança.

Art. 548. É nula a doação de todos os bens sem reserva de parte, ou renda suficiente para a subsistência do doador.

Art. 549. Nula é também a doação quanto à parte que exceder à de que o doador, no momento da liberalidade, poderia dispor em testamento.

Art.1.992. O herdeiro que sonegar bens da herança, não os descrevendo no inventário quando estejam em seu poder, ou, com o seu conhecimento, no de outrem, ou que os omitir na colação, a que os deva levar, ou que deixar de restituí-los, perderá o direito que sobre eles lhe cabia.

Art. 1.993. Além da pena cominada no artigo antecedente, se o sonegador for o próprio inventariante, remover-se-á, em se provando a sonegação, ou negando ele a existência dos bens, quando indicados.

Art.1.994. A pena de sonegados só se pode requerer e impor em ação movida pelos herdeiros ou pelos credores da herança.

Parágrafo único. A sentença que se proferir na ação de sonegados, movida por qualquer dos herdeiros ou credores, aproveita aos demais interessados.

Art. 1.995. Se não se restituírem os bens sonegados, por já não os ter o sonegador em seu poder, pagará ele a importância dos valores que ocultou, mais as perdas e danos.

Art. 1.996. Só se pode argüir de sonegação o inventariante depois de encerrada a descrição dos bens, com a declaração, por ele feita, de não existirem outros por inventariar e partir, assim como argüir o herdeiro, depois de declarar-se no inventário que não os possui.

Art. 2.003. A colação tem por fim igualar, na proporção estabelecida neste Código, as legítimas dos descendentes e do cônjuge sobrevivente, obrigando também os donatários que, ao tempo do falecimento do doador, já não possuírem os bens doados.

Art. 2.010. Não virão à colação os gastos ordinários do ascendente com o descendente, enquanto menor, na sua educação, estudos, sustento, vestuário, tratamento nas enfermidades, enxoval, assim como as despesas de casamento, ou as feitas no interesse de sua defesa em processo-crime.

Art. 2.011. As doações remuneratórias de serviços feitos ao ascendente também não estão sujeitas a colação.

Conclusão

Em todos os casos existentes de doação percebe-se a importância de se ter um contrato bem definido. Este contrato servirá como uma segurança entre todos os envolvidos.

Sempre faça um contrato claro e objetivo, evitando assim conflitos que poderiam resultar em brigas judiciais, prevenindo as partes de prejuízos e da perda de tempo.

Se estiver buscando um contrato de doação que possa ser feito de maneira personalizada, utilize o nosso clicando no link abaixo:
Contrato de Doação de Imóvel

Se você tiver qualquer dúvida ou queira comentar sobre este artigo vá na sessão de comentários logo abaixo, respondemos bem rápido para você!

Curtiu nosso artigo?

Deixe a sua curtida, assim o nosso time saberá que o artigo foi útil e nos motivará à criar novos para ajudar você.

Confira também nossos outros artigos sobre o tema.


Nossos Contratos Busca um contrato personalizado?
Utilize um dos nossos:
•  Doação de Imóvel

•  Compra e Venda

•  Compra e Venda de Imóvel

•  Compra e Venda de Terreno



Publicidade



Continua após a publicidade

Sobre nós!

A 99Contratos é uma LegalTech 100% nacional, criada e desenvolvida pensando no público brasileiro.

Nosso time é formado por especializadas em documentos legais e profissionais apaixonados por novidades que possam ajudar o dia a dia de todos.

Atualmente somos a maior plataforma para a criação de contratos personalizados e documentos legais de forma automatizada do Brasil.

footer email

Qualquer dúvida entre em contato conosco pelo e-mail contato@99contratos.com.br, ou pela opção de contato localizado no menu em nosso site. O atendimento é realizado de segunda a domingo, das 8h à meia noite.

© 2018 - Todos direitos reservados - 99Contratos - Seu documento personalizado!